7 de out de 2018

CONTINUAREMOS FORTE

um desabafo

acho que uma das tantas coisas maravilhosas, que a escrita nos proporciona, é poder escrever sobre aquilo que sentimos, aquilo que precisamos expressar/colocar para fora.
e o que eu quero falar, é sobre política, não necessariamente os termos da política em si, mas o que eu sinto, neste momento em relação a ela.

Existe uma cena de Harry Potter as relíquias da morte - parte 1, em que aparece o ministro da magia dizendo: "São tempos sombrios, não há como negar" e com o passar do filme o ministério da magia cai e a democracia também.
trazendo isso para o momento em que vivemos, se encaixa tão perfeitamente, que chega a ser assustador.
a nossa democracia não caiu, mas está abalada. e dependendo dos resultados das eleições neste domingo, hoje, não sei o que há de vim. a nossa democracia é jovem, quase recém-saída de um regime militar, precisamos cuidar dela, lutar para que ela permaneça e que continua...
mas, sinto medo do que possa acontecer. 
dependendo do resultado, sinto que nem tudo irá se resolver. 
o país está dividido, pessoas estão com ódio, e a intolerância está ganhando. a falta de amor e empatia pelo próximo, está se esvaecendo. as pessoas não enxergam, a outra pessoa que está a sua frente, não dão ouvidos a ela, apenas consegue enxergar as próprias necessidades.
é triste ver tudo isso.
meu sentimento, pelo momento em que o Brasil está passando, é de tristeza.
a sinto falta da esperança, que o povo brasileiro tinha em sí e no país. Parecia que todos, pensavam em todos. que não importava o que acontecia, sempre continuávamos a lutar, por um bem em comum, o bem da nação.
sei que estamos desacreditados dos nossos governantes, e que é preciso mudar para que haja a mudança, e só tem como mudar, quando se vota. 
votar é um ato de extrema importância, é uma das coisas que mais define e representa uma democracia. nós temos o direito e o dever de votar, pois essas pessoas que votamos, é que irão decidir o futuro do país por nós. e quando votamos em tal pessoa, acreditamos que ela possa fazer a mudança, possa trazer esperança para nós.
tenhamos consciência em que votamos. 
é importante saber, quem é aquela pessoa, e saber das dimensões do poder que ela pode ter, com o nosso voto.
realmente não sei como ficaremos nisso tudo. é uma sensação estranha si pensar nisso. pensar que talvez possamos perder, uma coisa que todo ser humano necessita, a liberdade.
a liberdade de ir e vim, de ser quem é, de se fazer o que deseja, de apenas viver...
eu espero que neste domingo, chuvoso e frio, seja um dia em que tenhamos a consciência de não pensar só em nós e em nossas necessidades. Que possamos parar para pensar, que vivemos em um país com mais de 200 milhões de pessoas, e que nem todas vivem e pensam do mesmo jeito que eu.
que temos ideias e modos de pensar diferente, e está tudo bem, isso faz parte de ser humano, isso faz parte de uma DEMOCRACIA.
que possamos parar por um momento e pensar por nós mesmos, de que temos o poder de mudar o futuro do Brasil.
e que possamos votar no amor, na tolerância, esperança e principalmente pensar em um voto, que ajude todo o povo brasileiro.
tenhamos esperança.
e continuaremos forte
lutando por nós.

5 de ago de 2018

Outrória


Quando eu vi
Já veio sim
Tornou parte de mim
Levou embora o meu pesar
Teu ver
Me encanta 
Enfim
Canta perto de mim
Sua voz amansa
o teu
olhar
Quero ver você
 dançar
Quero ver você
 dançar, sim.

<3

14 de jul de 2018

as coisas acontecem

Muitas coisas acontecem do nada em nossas vidas, talvez seja o acaso, coincidência ou o destino. Podem ser coisas boas ou ruins, mas uma coisa é certa, muitas acontecem quando a gente menos espera, e outras, quando sabemos que irá acontecer, não nos aguentamos até que enfim aconteça. Não sei se acredito no acaso, coincidência ou no destino, mas acredito que tudo e todos tem o seu momento. A sua hora de acontecer, a sua vez de conquistar o mundo...

Cristina Yang, né amores!

Uma das coisas que mais acredito, e que tomo pra mim como importante, é a educação e os estudos. Acho até mais importante que o trabalho. Tenho 20 anos e me formei como Técnica de Logística. Lembro que quando fiz a prova e entrei no curso, não sabia o que era logística, e até hoje talvez não saiba.

Logística não é a profissão que eu quero seguir pela minha vida, mas pra mim foi muito importante este curso. Todo o conhecimento transmitido e adquirido foi de extrema importância. Me ajudou a compreender e conhecer várias coisas, não só da logística, como do mundo e da vida, pra vida.

O ambiente escolar, as pessoas, mesmo não falando com todos, mas cada um com o seu jeitinho contribuiu de algum jeito pra vida de todos ali. Vamos seguir caminhos, profissões diferentes, mas a sala em sí, toda a troca de carinho e amizade serão guardados.

Parando pra pensar em tudo o que aconteceu, tudo o que vivi e passei, tudo o que está acontecendo, tenho mais convicção ainda, de que tudo e todos tem o seu momento. Às vezes a gente acha que não vai aguentar, quer chorar, largar tudo e fugir pra um lugar distante ou apenas pra nossa cama debaixo das cobertas... mas tudo passa, nada tudo pra sempre, e chore o quanto quiser, coloque pra fora, uma hora irá passar.

Penso que talvez com 20 anos já deveria estar na faculdade, segundo alguns padrões. Mas, penso que ainda bem que isso não aconteceu até agora, pois me permitiu conhecer e experimentar novas coisas, novas profissões, mas principalmente a conhecer mais a mim mesma, e isso me faz sentir aqui dentro, um apertozinho bom no core e meus olhos se enchem de lágrimas, mas sabendo que tem muita coisa pela frente, e isso me deixa feliz. E que mesmo que a profissão/carreira que eu quero pra minha vida, não tem nada a ver com a profissão no qual desempenho hoje, tudo tem o seu momento e uma hora pra acontecer, mas também temos que dar uma forcinha pro tempo e principalmente a nós e aos nossos sonhos acontecerem, vai dar tudo certo.

Turma de Logística
4-7-2018

4 de jul de 2018

A IMPORTÂNCIA DE ACREDITAR EM SI MESMA

Daqui a mais ou menos 8 hrs, estarei apresentando o meu Trabalho de Conclusão de Curso, ou melhor, o TCC. Não vou negar, estou nervosa e ansiosa, com medo de esquecer tudo na hora e travar... Mas, sei que isso não vai acontecer, pois eu sei o que devo falar e só eu sei o que vou falar.

Às vezes eu desconfio da minha própria capacidade mesmo sabendo que tenho de monte. Acho que isso é auto-sabotagem, ficar tentando se privar e se limitar, mesmo sabendo que sou capaz o suficiente pra fazer aquilo, pra apresentar o meu trabalho. O meu problema é que deixo de focar em mim, e foco nos outros. Faço isso inconscientemente e conscientemente; inconsciente porque de tanto fazer isso, já si tornou até normal e consciente pois no momento percebo e não faço nada para mudar, e isso me retraí mais ainda.

Sim, de fato ODEIO apresentações em público, odeio como o sistema de ensino faz a gente apresentar trabalho, como se aquilo ajudasse você a aprender, mas isso é conversa pra outro texto. Lembro que no ensino médio eu adorava apresentar trabalho, lembro também, que não sei se foi no ensino médio ou no fundamental, o professor dividiu a gente em grupos para fazer uma apresentação sobre os três poderes, e o meu grupo ficou com o poder executivo. Lembro que ninguém do grupo quis apresentar e só eu apresentei. Lembro que fiz um trabalho em cartolina com a foto de algum político nele, e fui lá, grudei a cartolina na losa e apresentei sozinha. Tirei 10, lembro que o professor me elogiou e lembro principalmente que fiquei feliz por ter tido coragem de apresentar na frente de todo mundo.

Essa lembrança acima, me veio na cabeça agora, no momento em que estou escrevendo este texto. E é muito louco comparar aquela Marina com essa Marina de hoje. Me lembro que era muito mais corajosa do que hoje. Lembro que falava pelos cotovelos o que vinha na cabeça e falava sem ligar pros outros, porque pensava só em mim. Não sei em que momento deixei de prestar mais atenção em mim e no que penso, sinto e falo, pra pensar mais atenção nos outros.

É duro falar isso, mas é muito importante eu ter consciência disso. Não lembro em qual momento comecei a dar mais atenção pras opiniões e olhares alheios sobre mim. Não lembro em qual momento deixei aquela Marina pra traz, mas estou tentando resgatá-la. 

Sabe, este final de semana que passou fui há uma festa junina no sábado, e no domingo decidir ir para Jundiaí. Já estava planejando isso há um mês, e tinha preguiça e falta de coragem para ir. Eu adoro andar de trem, é muito louco pensar que se pode rodar SP inteira com apenas 4,00 reais e no domingo de manhã acordei e fui. Passei o dia fora, foi cansativo, foi uma viagem, pode conheci paisagens, pessoas e várias estações de trem e o que mais gostei, foi ao chegar em casa e sentir/dar contar que estava bem comigo mesma. Feliz por ter tido coragem de ir. Feliz principalmente em estar em com a minha própria companhia e de que sim, eu me basto, eu me gosto e que eu sou capaz de fazer qualquer coisa.
Às vezes é preciso a gente dr um tempo, e fazer alguma coisa por nós mesmas. Olhar pra dentro de sí e acreditar que sou capaz. E que por mais que eu caguejge ou que a minha voz trema, é importante eu continuar falando, porque acredito em mim e vai dar certo.

24 de jun de 2018

APERTO

Na maioria das vezes, não consigo entender o que sinto (acho que já disse isso aqui), tenho um sério problema em conseguir compreender os meus sentimentos. Mas, ultimamente tenho parado pra pensar nisso e em como (ouvi isso em algum lugar) é importante estarmos presentes com a gente mesmo.

É difícil escrever ou falar sobre isso, até porque eu mesma não tenho muita dimensão do espaço/tempo, na verdade não tenho nenhuma. Mas, tenho reparado principalmente comigo mesma, o quanto é difícil, eu me manter no presente, se manter consciente da onde estou e do que estou fazendo agora neste momento. Sem pensar no que estava fazendo há 2 minutos, e nem o que eu vou fazer daqui há 2 minutos.

Estar presente e ter consciência é muito difícil. Vire e mexe, o meu corpo está aqui, mas minha mente não. Pensamentos aleatórios, de todos os momentos da vida que lembro, e todas as coisas que imagino, veem a minha mente o tempo inteiro. Começo a ficar ansiosa e aquele aperto no coração, que já conheço, mas não queria que fizesse parte de mim, queria abir o meu peito e deixá-lo ir; mas ai ele surge e fica aqui dentro por tempo indeterminado.


Estou começando tentar estar mais presente e consciente de mim mesma. Muitas vezes me auto-saboto, por achar que eu estou incomodando alguém, por ser eu, por estar ali, e isso isso muitas vezes reflete no meu conforto comigo mesma. Estar consciente disso, quando estou nesta situação, é muito importante pra mim, pois isso faz com que eu pense que eu sou importante pra mim mesma. Se eu sei que a minha presença em um certo lugar, é um direito meu, e não devo sentir que não deveria estar ali, então vou fazer da minha presença confortante pra mim.

Muitas coisas estão me ajudando em estar consciente do presente em que estou. Muitas vezes, quando pensamentos aleatórios surgem, eu tento trazer a minha mente pro agora, tento respirar devagar e profundamente por um tempo, em um ritmo em que me sinto confortável; tento ler alguma palavra na parede ou no livro, ou simplesmente me auto-bloqueio e falo (agora não!). 

Pesamentos aleatórios são ruins, mas pensamentos demais enlouquecem. Se te causam sentimentos ruins, não são bons. E é justamente o que estava acontecendo comigo até eu ter consciência disso. Ainda não sou a pessoa PRESENTE em tudo, mas tamo aí tentando, e como diz meu pai: de grão em grão a galinha enche o papo, né não?! As vezes também é bom abstrair e fingir demência em certas situações e pessoas, mas quem decidi isso é você com você mesmo. E se caso precisar não pense duas vezes, peça ajuda. Como diz uma pessoa que me deu aula, e que gosto muito, "somos, cada um de nós, pequenos mundinhos" e às vezes, muitos de nós precisamos de ajuda, alguém que nos escute e encare o mundo conosco. Mas, apenas ajudar e ouvir, já ajuda muito.


9 de jun de 2018

TE AMO DESGRAÇA

simplicidade, verdade, poesia...


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...